livros grátis

Literatura Infanto-juvenil e o Contador de Histórias na Educação Infantil e Básica

Estamos com matrículas abertas para o curso de Literatura Infanto-Juvenil e o Contador de Histórias na Educação Infantil e Básica em Florianópolis.

Previsão de início do curso para Março/2016.

Faça sua pré-inscrição em nosso site : http://www.facvestpos.com.br e garanta sua vaga.

Aproveitamos e já selecionamos para você 10 livros de literatura infantil para download grátis.

Confira a seguir os 10 livros de literatura infantil para download grátis:

  1. A borboleta azul
  2. A Bruxa e o Caldeirão
  3. Amanda e os Nanorobôs
  4. Chuva e sol
  5. Conto ou não conto?
  6. Dom Quixote
  7. Eu que vi, eu que vi
  8. Histórias da Avózinha
  9. Histórias que acabam aqui
  10. Meiguice
1390600_739092772785736_1084250511_n

5 dicas para elaborar uma prova objetiva

Saber preparar boas provas também é característica de um professor competente. Por mais que existam vários métodos diferentes de avaliação, o objetivo de uma prova deve ser estimular a capacidade de análise e reflexão do aluno, e não verificar se o mesmo decorou o conteúdo.

Isso ainda é muito comum, mesmo que esta não seja a intenção do professor, principalmente nas provas objetivas, ou de múltipla escolha. A seguir, confira algumas dicas que podem ajudar a elaborar este tipo de avaliação.

Pegadinha não

As tais pegadinhas devem ser evitadas, pois a confusão que elas causam podem prejudicar a todos os alunos, mesmo os que de fato sabem o conteúdo. Além disso, o enunciado deve conter todas as informações necessárias e apresentar um único problema para que o aluno consiga responder corretamente.

Proposições

No enunciado também é preferível utilizar proposições positivas, evitando o uso de termos como “errado”, “exceto” ou “nunca”. Esse tipo de termo deve aparecer somente quando for necessário.

Alternativas

O ideal é que cada questão tenha pelo menos 4 alternativas, sendo que cada uma deve ter uma quantidade de texto similar. Durante a realização do teste, uma alternativa mais extensa pode induzir o aluno a considerá-la correta.

Pesquisa

O professor também precisa estudar para elaborar uma prova. A pesquisa é fundamental, e o teste deve se ater a temas e conceitos da atualidade. A avaliação também precisa ser equilibrada com questões mais fáceis, mais difíceis e intermediárias.

Análise

Lembre-se que o teste é uma ferramenta para que o professor também encontre as dificuldades dos alunos. Preste atenção se há erros frequentes na avaliação, isso pode ser sinal de que aquele conteúdo precisa ser revisto.

Fonte: http://blog.sponte.com.br/5-dicas-para-elaborar-uma-prova-objetiva/

face-805556_640

PALESTRA – Conhecimento, Criatividade e Educação.

A Pós-Graduação Facvest estará promovendo nesse sábado ( 20/02/16)  a palestra:

“Conhecimento, Criatividade e Educação: elementos determinantes para o sucesso na carreira profissional”

Palestrante:  Professor Dr. Antonio Marcos Feliciano.

FotoDoutor em Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC/UFSC), Conceito 5 CAPES. Mestre em Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC/UFSC). Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pesquisador na área de Inovação, Gestão do Conhecimento, Gestão de Pessoas, Comportamento Organizacional, Empreendedorismo, Gestão Pública. Membro do Grupo de Pesquisa Inovação em Ciência e Tecnologia - CNPQ/UFSC. Professor nos cursos de Pós-Graduação, Especialização em Gestão Pública, Especialização em Gestão em Saúde - Programa UAB/IFSC - Instituto Federal de Santa Catarina. Professor de Pós-Graduação do Centro Universitário FACVEST dos cursos de Pós-Graduação, Especialização em Gestão Pública e Especialização em Gestão em Segurança Pública. Professor Conteudista Delinea Design. ( Dados currículo Lattes )

A Palestra será no Centro Universitário Facvest- Unifacvest

Av. Mal. Floriano, 947 – Centro
Lages – Santa Catarina

Horário: 9:00 da manhã.

A inscrição é gratuita  e feita no local do evento.

Ao final da Palestra será apresentado todos os cursos de Pós-graduação que serão oferecidos no primeiro semestre do ano.

Para maiores informações:

Profª. Ana Paula Freiberger

49. 85024767 – 49. 99245384

mathematics-1044079_1920

Como motivar os alunos na volta às aulas

Muitas vezes o início do ano letivo demora a engrenar para alguns alunos, acostumados ao ritmo das férias. Cada idade, turma e nível escolar tem suas características, mas geralmente os primeiros dias acabam sendo de adaptação com a rotina em sala de aula. Algumas dicas, porém, podem ajudar a diminuir esse tempo e tornar a volta ás aulas mais agradável.

Interligação

Um dos motivos que mais desestimulam os estudantes é acreditar que o conteúdo conversa pouco com o seu cotidiano. Por isso, é fácil acreditar que o que está fora dos muros da escola é mais interessante do que a sala de aula. É importante estabelecer a ligação entre o conteúdo e o mundo, e mostrar como as disciplinas se relacionam com a rotina do aluno fora da escola.

Possibilidades

A aula precisa ser atrativa para o estudante, e uma boa forma de torná-la mais dinâmica é mesclar estilos. Aulas expositivas, por exemplo, podem incluir mais a participação dos estudantes, com atividades na lousa, diálogos, entre outras possibilidades.

Opiniões

Ouvir os alunos também é uma forma eficaz de motivá-los. Assim eles sentirão que o professor de fato se importa com o que a classe pensa a respeito do seu aprendizado e dos conteúdos apresentados.

Escolhas

A possibilidade de escolher cria no aluno a sensação de que ele tem controle sobre o seu aprendizado. Deixar que os grupos de estudos se formem naturalmente, por exemplo, é uma forma de possibilitar escolhas e dar mais importância para o aluno e suas decisões.

Fonte: http://blog.sponte.com.br/como-motivar-os-alunos-na-volta-as-aulas/

n-LYGIA-large570

Escritora é a primeira mulher brasileira indicada ao prêmio Nobel de Literatura

A escritora Lygia Fagundes Telles, autora de clássicos como As Meninas e Ciranda de Pedra, foi indicada ao prêmio Nobel de Literatura. O nome da autora foi encaminhado nesta quarta-feira (3) pela União Brasileira de Escritores (UBE) à Academia Sueca e foi eleito por unanimidade pelos seus membros, de acordo com informações do UOL.

“Lygia é a maior escritora brasileira viva e a qualidade de sua produção literária é inquestionável”, afirmou o presidente da UBE, Durval de Noronha Goyos, em nota à imprensa.

Nascida em São Paulo, Lygia foi eleita para a Academia Brasileira de Letras em 1985 e recebeu o Prêmio Camões, o mais importante da literatura de língua portuguesa, em 2005. Suas obras já foram traduzidas para o alemão, espanhol, francês, inglês, italiano, polonês, sueco e tcheco.

Ariano Suassuna, Jorge Amado, João Cabral de Melo Neto e Ferreira Gullar estão entre os brasileiros que já foram indicados ao Nobel de Literatura ou tiveram seus nomes sondados. Nenhum deles, no entanto, levou o prêmio. Lygia é a primeira mulher brasileira a entrar nessa lista.

O anúncio do vencedor deve acontecer em outubro deste ano em Estocolmo, na Suécia. O prêmio de 2015 foi para a bielorrussa Svetlana Alexievich.

Auto do texto: Luciana Sarmento – HuffPost Brasil

 

fonte: http://www.brasilpost.com.br/2016/02/03/lygia-fagundes-telles-nobel-literatura_n_9151564.html

family-960452_1920

A família e a Educação

Educação é algo que não se faz apenas dentro dos muros da escola. A interação entre equipes pedagógicas, a comunidade e a família é muito importante para o processo de aprendizagem, mas muitas vezes toda a responsabilidade acaba sendo jogada nas costas das instituições de ensino.

Isso acontece por uma série de fatores, o que cria um verdadeiro desafio para os profissionais de educação: o de inserir a família na vida escolar de crianças e adolescentes.

Para a professora Mariza Teresa Chiari Dantas, a educação de qualidade depende dessa interação. Mariza é professora há 30 anos, especialista em gestão educacional e pedagogica. Na escola em que trabalha, no município paulista de São Carlos, ela coordena o programa Escola da Família, criado pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo em 2003, com o intuito de promover essa aproximação. As informações são do Ministério da Educação.

Pelo projeto, espaços da escola são usados para receber a comunidade em atividades culturais, de lazer, saúde, entre outros. Outra atividade desenvolvida é um curso que trata de assuntos como cuidados essenciais com crianças e adolescentes, educação dos filhos e comportamento. As ferramentas são conversas, apresentações de vídeo, músicas e dinâmicas de grupo. Segundo Mariza, as ações têm resultados positivos.

Outras propostas de interação entre família e escola são abordadas em um artigo sobre o assunto, organizado por Jane Margareth Castro e Marilza Regattieri.

Com base em pesquisas e levantamentos, o estudo classifica quatro grupos de ações, baseadas nos objetivos pretendidos. Um dos grupos, por exemplo, trata da inclusão do aluno em seu contexto.

Para tanto, as iniciativas apuradas pelo estudo utilizaram estratégias nas quais os educadores são preparados para conhecer melhor as condições de vida dos alunos por meio de entrevistas, visitas, questionários e outros contatos com a família. Como resultado, eles melhoram as condições de aprendizagem, possuem maior coordenação de políticas sociais, entre outros.

 

fonte: http://blog.sponte.com.br/a-familia-e-a-educacao/

narrative-794978_1920

Educação Infantil: 6 dicas para encantar com histórias.

As atividades escolares das crianças foram se modificando ao longo dos anos e estão mais elaboradas. Mas ainda assim o ato de contar e criar histórias é uma das melhores maneiras de estimular a criatividade, atenção e imaginação dos pequenos. Muitos professores sentem-se envergonhados ou inseguros com a ideia de contar historias, ou incluir um momento como esse na pauta escolar. Vejam essas 6 dicas para encantar a galerinha.

1 –  Pare de dizer “Eu não sei contar histórias”.

Todo mundo sabe contar histórias. “Era uma vez a nossa escola”,  já é uma história. Buscar fatos do cotidiano para criar lembranças é uma ótima forma de começar. Sem pensar muito ou estipular regras, relembre momentos com os alunos como se fossem histórias de livros.

2 – Lembre-se da sua infância.

As histórias que você ouvia quando criança ainda são válidas. Transmita para seus alunos as histórias que gostava de ouvir. Você pode contar, inclusive, histórias da sua família. Uma experiência interessante para seus alunos.

3 – Abuse de sons e gestos.

Isso ajuda durante a narração. Mudar a tonalidade da voz em cada personagem e expressar os sentimentos e os sons do ambiente tornam a experiência mais divertida para as crianças, além de ajudar a prender a atenção.

4 – Tenha boa vontade.

Não conte histórias por obrigação. É preciso escolher um bom momento para não criar algo monótono para as crianças. Escolha um momento legal da programação escolar para incluir a “hora da historinha”. Antes de ir para casa ou antes do recreio são algumas opções. É um momento que deve ser divertido para alunos e professores.

5 – Use o que está ao seu redor.

Tecidos, tambores, instrumentos musicais, quadro, giz, cadeira…vale tudo. Você pode adaptar a sua história com objetos que existem dentro da sala de aula, trazer algo de casa ou até mesmo aproveitar o “Dia do Brinquedo” e interagir com os objetos que os alunos trazem. Tudo para deixar a historia mais completa e divertida.

6 – Alunos também contam.

Deixe as crianças participarem ativamente do processo. Responda perguntas, agregue sugestões e contribuições. “Professora, o vestido da princesa pode ser verde?” “E que tal se no lugar do lago existisse uma montanha?” A imaginação deles é criativa e esses momentos tornam a história dinâmica e única.

Parece simples, mas contar histórias é algo que marca a trajetória escolar dos pequenos. Nesse momento as crianças estão absorvendo todo tipo de informação e a capacidade da imaginação e a da criatividade delas vai longe. Aproveite isso. Inclua momentos de histórias na sua programação pedagógica.

 

fonte: http://blog.sponte.com.br/educacao-infantil-6-dicas-para-encantar-com-historias/